quinta-feira, dezembro 07, 2006

Mais um Desafio

Então esta futura mamã desafiou-nos para contar os nossos receios relacionados com a gravidez e o parto e aqui vamos nós explicar tim por tim, tudo o que nos aflige:

Por norma eu até sou positiva e geralmente vou adiando as más coisas para a altura em que vão suceder. Assim, quando decidi engravidar já sabia que ia embarcar numa viagem cheia de aventuras e que isto iria ter uma responsabilidade que iria durar até ao fim dos meus dias.
O facto de assumirmos que queremos ter um filho, nos dias que correm, pode gerar algum pânico e assim vejo isso como um acto de coragem. Mete medo? Mete pois! Mas acho que é algo que nos dá sentido, que nos vai fazer renascer e que nos vai fazer ver a vida com outros olhos.

O meu primeiro receio, creio que seja igual em todas as mães, é que o meu bebé pudesse não ser saudável e por isso aguardei com alguma ansiedade a ecografia das 12 semanas e o resultado do rastreio bioquímico. Logo que soube que estava negativo, descansei.
Confesso que nunca tive medo de um aborto espontâneo, foi algo que não me passou muitas vezes pela cabeça e só me apercebi que era algo que acontecia com muito mais frequência do que eu imaginava, depois de ler essa infelicidade em diversos blogs.
Por isto, considero-me uma afortunada, engravidei quando assim o decidi, tendo levado apenas 3 meses para o conseguir, sem grandes stresses ou preocupações e apesar de sofrer dos males de todas as grávidas, sinto-me abençoada (como se até acreditasse em qualquer religião ou nalgum deus...) por ter decorrido tudo tão bem até à data. Desejava que fosse assim com toda a gente que tenta realizar esse sonho...

No entanto, apesar de não pensar muitas vezes em aborto espontâneo, poderia ter sofrido algum deslocamento de placenta ou algo de género, isso preocupava-me e tinha algum medo que pudesse acontecer, mas não me posso queixar de nada!

O que sempre me assustou foi mesmo o parto, que cada vez está mais próximo e agora existe uma mistura de sentimentos que se atropelam, se por um lado queria que ele acontecesse o mais rápido possível, para que o meu bebé já cá estivesse no Natal, por outro lado vou adiando essa ideia e vou adiando pensar muito nisso. É claro que esse adiamento não implica que eu não pense nisso de vez em quando (especialmente quando vêm algumas contracções), mas tento desdramatizar, embora não saiba muito bem como vai ser... é um terreno que me é completamente desconhecido e mesmo que não fosse "mãe de primeira viagem", não sei se não seria da mesma forma, pois acho que cada parto é um parto e tudo pode variar mediante determinados condicionantes.
Creio que já tinha referido que prescindo de um parto com dor, isto é, acho que não se é menos ou mais mãe por sofrer ou não todas as dores de parto, por isso eu quero epidural, sim! Mas ainda assim, penso que se tiver a sorte de ter um parto rapidinho, "tipo gata", como mencionei já uma vez, posso até nem levar a epidural, despacho tudo no mínimo tempo possível e digo não às drogas! :P Agora se tiver a infelicidade de levar horas a fazer a dilatação, dêem-me as drogas todas que existe na maternidade, que eu não me importo!

Ah! E acho que vou chorar muito quando vir o Gil pela primeira vez... Aquilo que não tenho chorado durante a gravidez, porque as minhas hormonas andam sensíveis, mas até tenho tido alguma estabilidade emocional, deve estar reservado para essa altura... é que só de pensar nisso já me vêem as lágrimas aos olhos!

Também tenho medo de não saber tratar do bebé quando ele nascer, mas deixo isso para o instinto, porque por muito racionais que sejamos, não deixamos de ser animais.

E agora deixo aqui o desafio para as pré-mamãs que ainda não o fizeram (desculpem não nomear ninguém, mas estou sem paciência para ver quem fez e quem não fez...).

9 comentários:

filipa disse...

Obrigado Lisa pelo teu contributo, revejo-me em muitas das coisas que disseste.

bjs

Cláudia disse...

Não vale a pena pensars no parto. Tens tempo para pensar nisso na altura (esperemos que não seja muuuiiiito tempo...)
O facto de veres o teu Gil vai fazer-te esquecer tudo o resto.Força amiga está quase a vir ao mundo o teu bebé.
bjs

rute28 disse...

Coragem agora mais do que nunca , normalmente até as mais piegas na hora de ter bebe são muito coragosas e concordo não é preciso estarmos a sofrer para se ser mãe!!
Estás muito elegante para quem está quase quase a ter bebe , mas tenho para mim que o Gil só vem depois do Natal!!
Sim o instinto vem logo ao de cima assim que nasce o bebé podes confiar!!
beijinhos grandes e muitos!!!

Maria disse...

Bem, não falo por experiência própria mas acho que os teus receios são normais... Quanto mais não seja, receias o desconhecido!

Só agora vi a tua barriguinha, está linda, tão redondinha!

E o Gil está quase, quase a chegar! :D

Beijocas grandes, diverte-te no fim-de-semana!

http://icecream.blogs.sapo.pt/ disse...

Eu nunca pensei muito nõ parto enquanto estive grávida. Nem na vespera da indução do parto eu pensei muito em como seria. Pensei, claro mas acho que estava mesmo ansiosa era para ela estar ca fora, era a base, do quanto mais depressa passar por isso, melhor.
Tinha e ainda tenho, medo de não estar á altura da situação. Penso muitas vezes se serei boa mãe...

Mamã do Diogo disse...

eu so comecei a ter consciencia do parto qd ja tava no hospital,acreditas?mas tb tinha medo.
Mas pensamento positivo e vai correr td bem.
Beijokas grandes e bom fim de semana.
Que barriguinha enorme :P

Sonhamos Contigo disse...

Eu tive esses medos tds tb..e tenho-os... mas axo k vou deixar para um post e respondo a este desafio!!
:D

Ai miga, tu es tao elegante!!!!!!!! O k fizeste para ser magrinha?
:D
A barriga esta linda e o Gil... esta quase a xegar!!
:D

Jinhs e optimo fds

Carla disse...

Eu, se calhar, por causa da minha idade (35 anos) tive os medos todos: de perder o bebé, de haver algum problema antes das 12 semanas, e depois das 12 semanas, e continuo com medos dessa natureza, porque infelizmente sabemos de tantas histórias com finais tão pouco felizes. O que mais me descansa é que engravidei quase sem planear, claro que queria o bebé, mas sempre pensei que ia demorar meses até lá chegar. A verdade é que engravidei no primeiro mês em que pensei a sério nisso. Como eu costumo dizer nem fui aos treinos, foi no aquecimento. E tenho tido uma gravidez santa, sem enjoos, sem dores, apenas um pouco de azia de vez em quando.

Lisa desculpa o testamento, mas hoje estou reflexiva.

Beijos para ti e para o Gil

Gioconda disse...

Gostei de ler sim senhora.... espero que nunca percas este blog porque um dia mais tarde o Gil vai gostar muito de saber estas coisas....