quarta-feira, maio 09, 2007

Caso Madeleine

Não se fala noutra coisa e é impossível ficar indiferente ao que se tem estado a passar.
Independentemente daquilo que poderia ter sido feito e não o foi, acho que os pais da pequenita erraram, eu jamais deixaria o meu filho sozinho em casa (num hotel então é impensável!) e ia jantar ou ao café ou a outro lugar sem ele. Precisa de dormir? Dorme no carrinho ou no meu colo!
Mas acredito que a esta hora os remorsos já os terão consumido e que já não vale a pena "bater mais no ceguinho". Não quero nem imaginar o quanto estes dias têm sido penosos para eles.

Quanto à actuação da nossa polícia, ao invés do que é dito em Inglaterra, que com o seu ar arrogante e superior, gosta muito de humilhar os outros países e de achar que é melhor em tudo (apesar dos milhentos casos deste tipo que também tem por resolver), acho que tem sido demasiado boa, tão boa que eu me pergunto que se fosse uma criança portuguesa teria este aparato todo, com mais de 150 PJ's no terreno, não sei quantos GNR's, mais uns quantos PSP's e tantos civis empenhados na procura da menina?

Por tudo isto, lamento o desaparecimento desta menina, ainda mais porque sabemos que esteja ela onde estiver, com certeza não está bem, não o pode estar, estando longe dos seus e daquilo a que está habituada... temo que isto possa acontecer no mundo em que vivemos (pois tanto acontece em Portugal, como em Inglaterra, como nos EUA ou na China!), ao meu filho ou a qualquer outra criança.
Mas também lamento o que a Inglaterra difama sobre a nossa polícia e lamento que a nossa polícia não se empenhe mais em casos de crianças portuguesas, como no caso daquela bebé desaparecida na maternidade, encontrada apenas por denúncia há meia dúzia de dias ou no caso polémico do "Rui Pedro", até hoje por resolver!
Não me recordo de nesses casos terem sido dadas conferências de imprensa a fazer um ponto de situação, não me recordo de ter ouvido falar disso dias a fio, como noitícia de abertura em todos os telejornais, recordo-me sim, de ao fim de 2 ou 3 dias o assunto ter caido no esquecimento e de a PJ ter arquivado os processos por falta de pistas (quando em ambos os casos até parece que as havia: uma cassete de video identificativa da pessoa que raptou a bebé e um suposto amigo do Rui Pedro com quem ele esteve pela última vez).
Por muito que a PJ venha dizer que a actuação é a mesma que seria no caso de uma criança portuguesa, não é isso que se vê!

A crítica do não encerramento das fronteiras também me deixa preplexa, afinal já nem existem fronteiras, não é? Quanto muito podem ser vigiadas, mas quem conhece o Algarve, sabe que existem inúmeras formas de sair de lá em direcção a Espanha ou até Marrocos, sem que haja qualquer pista e sem que se seja sujeito a qualquer controle, até porque o Algarve é uma porta aberta, de entrada de droga, tanto para Portugal como para a Europa.

Desejo verdadeiramente que esta história tenha um final feliz, mas a esta altura já tenho as minhas dúvidas...

12 comentários:

May disse...

Concordo com tudo o que dizes.
É aquele sentimentozinho português de inferioridade face aos britânicos que se vê na actuação da nossa polícia e orgãos de comunicação social. Se fosse portuguesa ou de um país pobre certamente não actuavam assim.
Tenho pena que outras crianças desparecidas não tenham tido a mesma atenção. Tenho pena da menina, que devido a um descuido dos pais, não está neste momento sã e salva. Tenho pena dos pais, que a esta hora estão mais que arrependidos.

Mamã do Diogo disse...

Os ingleses acham se melhores k os outros, queria ver se o caso se passa-se lá com um portugues,tristeza :S
O Gil tá lindo :)
Beijokas

teresa disse...

Concordo contigo.Tenho pena que nos casos portugueses não haja o mesmo empenho.
Teresa e Matilde.

Carla disse...

Concordo inteiramente contigo, e tenho imensa pena da pequenina que bem não pode estar. Também eu não sou capaz de me afastar mais de meia dúzia de metros do Pedro.

Beijos

Golfinho Filipa disse...

Olá minha querida! Realmente, gostava de ver todo este empenho na procura de crianças portuguesas... Quanto às críticas, acho que grande parte da culpa cabe à comunicação social. Tenho sérias dúvidas que tenha sido a polícia inglesa a pôr em causa o desempenho da nossa, até porque a PJ portuguesa é considerada uma das melhores da europa. Os media também gostam muito de deitar lenha na fogueira, mas enfim. Que Deus traga essa menina sã e salva para junto dos seus pais. Um beijinho grande

Bia disse...

Desejo que tudo acabe bem e o mais rápido possível.
Jinhos

Cláudia disse...

Amiga prefiro nem comentar esete tema...
Só me revolta pensar que os pais não estavam com ela para impedir que a levassem... Não somos omnipotentes mas custa-me...

Bjs grandes ao gil e à mamã

pensamentos de cão disse...

Há muitas coisas que se podem dizer e escrever sobre este assunto. Eu desejo sinceramente que a menina apareça rapidamente, sã e salva de preferência, mas sobretudo que apareça! A angustia vivida por aqueles pais é indiscritivel. Quanto à comunicação social, dou mais dois ou três assuntos para o assunto começar a esmorecer. Aliás, isso já começa a acontecer...

pensamentos de cão disse...

errata: queria dizer que dou mais dois ou três dias... e não assuntos!

)0( disse...

Todos podemos estar sujeitos a uma situação destas porque haverá momentos em que não estaremos a olhar. E quantas de nós não tiveram já uma sorte enorme porque se distraíram por um bocadinho mas não aconteceu nada?
Agora não deixa de ser triste ver o que está acontecer e saber que a nossa PJ está a agir sob pressão porque se trata de uma criança de outra nacionalidade e porque isso poderá ter consequências ao nível do turismo.
É bem verdade que o empenho, o nº de homens no terreno e até a divulgação nos media é diferente quando se trata de uma criança portuguesa.
Espero que a menina seja devolvida aos pais o mais rapidamente possível.

Kya disse...

Já escrevi umas coisas sobre este assunto no grupo, por isso só vou resumir o que sinto: os pais da menina devem ser responsabilizados criminalmente por negligência!!! Não tinham o direito de abandonar os filhos para ir jantar, não tinham o direito de pensar em necessidades fúteis deles próprios em contraponto às necessidades vitais de três crianças pequenas que confiavam neles para as protegerem! Podiam acontecer muitas coisas más naquele quarto devido à ausência dos pais, nem era preciso haver raptores ou gente má neste Mundo. Os pais foram os primeiros agressores, na minha opinião. Nem consigo ter pena deles. Sofrem? Que chato... Só penso no que sofre aquela menina devido aos poços de egoísmo que são seus pais! E mais não digo, para não incendiar mais isto... Bjs
PS. Qt à comunicação social, há mts coisas a considerar e que as pessoas não vêm de imediato, pois infelizmente este caso tem uma importância estratégica a nível da própria economia do país e é por isso que - sim, é verdade - a menina inglesa desaparecida acaba por «valer» mais do que uma criança portuguesa nas mesmas circunstâncias! É duro pensar assim, mas é a verdade...

Ana disse...

Eh facil de pegar numa pedra e atirar, e nao sou eu que vou fazer isso!
Os pais erraram, nisso todos concordamos, nao se deixa criancas sozinhas, nem em casa nem em lado nenhum, mesmo pondo de parte o perigo de rapto, tudo pode acontecer com criancas, basta um minuto para tudo terminar em tragedia.
Agora o que interessa eh encontrar a menina, mas...depois das primeiras 24 horas a probabilidade de a encontrarem viva eh cada vez mais remota.
Como mae nao consigo imaginar o tamanho de uma dor assim!!