segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Denuncia ao "Nós por cá"

Na 6ª feira, estava tão stressada com a injustiça que os nossos filhos sofrem, sobre o que falei no post anterior e que, depois de ter falado com a minha mãe sobre o colégio que fica em frente da casa dela onde eu andei, onde a minha sobrinha andou mas do qual teve de sair antes de fazer os 3 anos e ao qual o Gil está agregado, decidi denunciar a situação ao programa "Nós por cá". Não sei se irão debruçar-se sobre o assunto, mas pelo menos tentei.
Se tiverem paciência, podem ler o conteúdo do mail:


Boa tarde,

Venho denunciar uma situação que todos os anos afecta quem tem crianças e vou dividir o caso em dois pontos:
1º Quem tem crianças que fazem aniversário entre Setembro e Dezembro;
2º Relativamente ao Centro Infantil de A-da-Beja, sito na Rua Fernando Maia, que além de pertencer à alçada da Segurança Social, pertence ainda à Camara Municipal de Amadora e ainda tem relação com o Ministério da Educação.

1º Ponto
Fui ontem informada pela ama do meu filho que completou 2 anos no passado dia 27 de Dezemrbo, que no próximo ano lectivo ele já não tem direito a permanecer ali, através da Segurança Social, pelo que tenho de procurar para ele uma pré-primária ou outro infantário, embora nada me impeça de o inscrever no Centro Infantil em questão.
Ora, o meu filho por ter nascido em Dezembro, fiz a inscrição dele no dito Centro Infantil em Janeiro e só em Setembro já com 8 meses é que pode entrar para a ama.
Durante esses 8 meses não teve para onde ir, mas como estava desempregada, não houve problema, mas já não usurfruiu da ama nesses meses todos. Em Setembro de 2007, entrou para uma ama e tem lá estado desde então, sendo que ele só completa os 3 anos em Dezembro, à data de inicio do próximo ano lectivo ele ainda tem 2 anos, pelo que deveria poder continuar no mesmo sistema. Mas não. Como completa os 3 anos no decorrer do ano civil em questão, ainda que seja no final de Dezembro, já não tem direito. São critérios que temos de aceitar, mas a questão que coloco é porque é que não são os mesmos critérios quando eles passam para o ensino básico?
Vejamos então o que vai acontecer com o meu filho, quando ele tiver 5 anos e em Dezembro do mesmo ano civil completar os 6 anos, eu só o posso inscrever na escola básica com condicionantes, ou seja, ele só irá entrar para a escola em que eu o inscrever se houver vagas na turma em questão, senão é sujeito a entrar quase com 7 anos. E eu questiono-me mas que critérios são estes???
Porque não convém a criança continuar entregue à Segurança Social por mais uns meses devido a 4 dias, no caso do meu filho, já tem de ir para a pré-primária antes, mas porque também não convém ao Ministério da Educação absorver mais uma criança, porque não tem 6 anos completos a 15 de Setembro, tem de continuar por mais um ano lectivo no infantário. Onde é que há justiça no meio disto tudo????
Assim, mães que tem filhos nascidos depois de 15 de Setembro, vêm os seus filhos ser duplamente injustiçados!


2º Ponto
Tenho 34 anos, fui criada na aldeia de A-da-Beja, pude usurfruir da pré-primária no Centro infantil de A-da-Beja. Estamos a falar de uma Quinta com um espaço amplo e ideal para as crianças, sempre desejei que um filho meu pudesse também frequentar aquele local, onde eu cresci, porque mesmo depois de ter saído de lá para ir para a primária, como tinha uma amiga que lá morava, ia lá vezes sem conta e actualmente há espaços naquele local que estão desleixados e que podiam ser tão bem aproveitados, que nos deixam a nós, que também conhecemos aquele local, tristes e sem compreender o porquê do não aproveitamento de um espaço com tantas potencialidades!
O meu filho entrou para a alçada daquele colégio, mas como era muito pequeno e a sala dos meninos de 1 ano não tem funcionado (tal é a redução de custos em meter lá auxiliares e educadoras!), foi para uma ama da Segurança Social. Pelos motivos já mencionados no ponto anterior, creio mesmo que ele não irá nunca conhecer aquele espaço, porque de ano para ano eles cortam as vagas existentes para as crianças.
Desde há uns anos que a angústias de mães, das amas, das educadoras, das auxiliares e todo o pessoal que ali trabalha se repete... a questão é será que aquilo vai continuar? Quando é altura de fazer inscrições, nunca nos sabem dizer se aquilo vai continuar. Todo o pessoal que lá trabalha teme ficar sem emprego (em caso de contratados) ou ser mandado para quilómetros de distância. A verdade é que ali funciona uma alçada da Segurança Social com várias amas em A-da-Beja e Casal de Cambra, existe ainda o infantário e actualmente também funciona lá o ensino básico. Mas ao que se ouve dizer, até a escola básica pretendem acabar lá e todos os anos nos questionamos, onde vamos colocar as nossas crianças?
Eu moro em Casal de Cambra, mas sendo mãe trabalhadora (ainda que o desemprego me ande sempre a bater à porta), os meus pais moram em A-da-Beja e são um suporte importante, para que o meu filho fizesse lá o ensino básico, podendo fazer refeições em casa deles ou podendo ir para lá enquanto eu e o pai, estamos a trabalhar.
Assim, tanto as pessoas da terra como as que lá trabalham não compreendem o porquê do desatino que se cria aquando esta altura do ano em que nada se sabe, em que as dúvidas acerca da continuação daquela instituição permanecem. A outra questão que coloco é "o porquê?" Mas porque querem acabar com uma instituição que tem já tantos anos de experiência, que serve a gente da terra e não só, dá emprego a algumas pessoas e é sem dúvida uma instituição importante?
Como é que é possível que este governo queira acabar com jardins infantis, apelando para que os portugueses tenham mais filhos? E depois colocam-nos onde? Em colégio privados (porque estes dão mais lucro ao Estado!) a pagar uma brutalidade? Como é que é possível que queiram igualmente acabar com uma escola de ensino básico numa pequena localidade, às portas de Lisboa? Se o ensino é obrigatório (e gratuito) porque se hão-de fechar escolas em localidades onde são necessárias alegando que não há crianças necessárias para as turmas a funcionar, mas depois também não deixam outras entrarem, porque não completaram 6 anos de idade até 15 de Setembro e as fazem precorrer quilómetros para terem o ensino obrigatório (porque deixa de ser gratuito quando temos de gastar dinheiro em transportes!)?
A gente de A-da-Beja está indignada com esta situação que já se arrasta há anos, mas a verdade é que cada vez mais as pessoas têm medo de falar e de dar a conhecer casos como este. Eu sou uma mãe que se arrisca a que o seu filho não vá para esse infantário e outras tantas pessoas temem ser condenadas por falar uma verdade, porque isso podes-lhe custar o emprego, mas neste caso se querem mesmo acabar com aquilo, os seus empregos já estão em risco!

Este é somente um dos assuntos que tenho para dar a conhecer, tenho um outro mas que implicaria um mail com 10 vezes mais informação do que este... que será com certeza para divulgar, mas em tempo mais oportuno. Se este assunto também vos interessa, afim de poderem fazer uma pequena reportagem com esta (ou mais matéria) respondam ao mail.

9 comentários:

Ana Luísa disse...

Olá Lisa.
A idade depois de 15 de Setembro é algo que também me perturba...
Até já escrevi sobre isso (http://soldeoutubro.blogspot.com/2009/01/regulamentos-e-datas-de-nascimentos-que.html) mas percebi que no teu caso tem a ver também com a ama e a SS. A nossa ama é particular, portanto não se aplica o mesmo...
Espero que consigas resolver o teu caso.
Beijinhos.

sonia disse...

Acho que fizeste muito bem, nada como denúnciar estas coisas para se conseguir ter algumas respostas!!

Beijocas

Mamã da Rafa disse...

Também acho que fizeste bem, e não perdes nada, por teres tentado;)

Boa semana!

Beijinhos com carinho

Elsa disse...

fizeste muito bem!!
boa sorte!!

teresa disse...

Acho que fazes bem em denunciar esta situação que deve também acontecer noutros locais.
Imagina a Matilde que nasceu a 16 de Setembro a entrar só no ano a seguir aos 6 anos. Entra para a escola e faz logo 7 anos com as crianças que fazem 6 anos.
Acho injusto, mas se calhar é o que vai acontecer.
Beijos.
Teresa e Matilde.

Sandra e Afonso disse...

Olá Lisa!
Eu acho que fizeste bem!
Somos muitas as mães com essa preocupação dos nossos meninos fazerem anos depois do 15 setembro e de não poderem entrar na escola.
Beijo, beijo, beijo

Sandra e Afonso
www.bebeafonsinho.blogspot.com

Sofia,Pedro e Joana disse...

Olá querida mamã, penso que fizeste muito bem, espero que deste caso resulte uma reportagem pois parece que há mais pessoas em situação similar.
Beijinhos,Sofia,Pedro e Joana

Ana Santos disse...

Fazes bem em denunciar e lutar pelo que achas justo.
Posso falar do que se passa na minha ilha, nos últimos anos tem-se fechado escolas básicas nas freguesias. Penso que é para reduzir custos???? mas como fecham as escolas e as crianças tem que ir para escolas mais longe, logo a escola paga o transporte e dá o almoço porque a criança é uma deslocada.
Cá a escola é que paga os transportes dos alunos enquanto é ensino obrigatório ou seja até o 9º ano, desde que a criança resida a mais de 3km da escola.
Para veres como são as coisas há crianças a comerem de graça sem necessidade, só porque são deslocadas logo tem direito a refeição, outros que tem escalão ou não tem, teem que pagar a refeição.
Beijinhos e boa sorte para a tua luta,
Ana e seus tesourinhos

kel disse...

Olá!
acho que fizerste muito bem! não é de braços cruzados que as coisas mudam. Temos mesmo de denunciar as injustiças! mesmo que as coisas não mudem logo, acredito que começam aos poucos a alterar-se.
Força!
beijinhos