quinta-feira, abril 12, 2007

Cansada...

é assim que me sinto!

Embora ser mãe, me tenha dado desde o primeiro momento muita alegria e há momentos em que basta um sorriso do Gil para esquecer tudo o resto, às vezes sinto-me exausta, como hoje...
Vejo-me obrigada a deixar o Gil na minha mãe para que possa dar um jeito à casa, com ele é impossível fazer alguma coisa, pois os sonos dele durante o dia não duram mais de meia hora e não me dá para fazer quase nada, limito-me a meter roupa a lavar, estender e apanhar... passá-la a ferro é quase uma miragem!
Hoje tive mesmo de o deixar na minha mãe e em três horas a minha vida foi uma verdadeira corrida contra-relógio! Consegui mudar os lençóis da minha cama, aspirar os quartos, o corredor e a cozinha e lavar o chão dessas divisões. Fui à arrecadação colocar umas coisas e trazer outras. Já juntei dois sacões de roupa que já não uso ou já não gosto, para dar... vamos acumulando tudo e depois começamos a ficar com falta de espaço, assim hoje libertei algum!
Ainda ficou muito por fazer, limpar o pó, tratar das casas de banho e da sala, amanhã ele volta a ficar na minha mãe.

Sei que me tenho queixado muito e que não sou a única, mas às vezes penso mesmo a quem é que este puto sairá para ser assim tão terrível! Ele já tem um ginete que nem imaginam, quando se zanga a sério dá com cada grito que nem estão bem a ver, parece ele que já quer mandar, a personalidade dele já se começa a revelar nestas pequenas coisas, não me parece que vá ser um miúdo nada sossegado e ainda só tem 3 meses e meio...
Chego ao fim do dia de rastos de o ouvir e de ter de andar muitas das vezes com ele ao colo porque ele não quer ficar sozinho, senão é berraria pela certa. Às vezes saio de casa só para ver se ele se cala um bocadinho... Mas será que ele vai continuar a ser assim por muito mais tempo? Já exprimentei dar-lhe um berro para ver se ele se cala e sabem o que ele faz? Fica muito sério a olhar para mim e depois continua a choramingar!
O Patrick até suspira fundo como quem diz: "Trouxeram-me este gaijo para aqui e ele nunca está calado, está sempre a interromper as minhas sestas, mas é preciso fazer tanto baraulho?"

Ser mãe é lindo, damo-nos conta que a vida é algo muito mais misterioso que alguma vez pudéssemos pensar, é inalcansável a dimensão do que é gerar um vida dentro de nós, além disso fazemos tudo pela nossa cria, fazemos muito mais do que alguma vez podemos pensar fazer. Nada é impossível na condição de mãe!
Se alguma vez me tivessem dito o que eu poderia fazer enquanto mãe, acho que não acreditava, mas agora acredito, superamos todas as forças e tornamos o impossível viável e credível. A nossa resistência é algo quase ilimitado quando se trata de termos de estar alerta para o bem estar dos nossos filhos, no entanto, isso não impede que haja dias em que eu me sinta como hoje...

Não estou triste, nem desiludida por ser mãe, antes pelo contrário, tenho um filho saudável (com uns pulmões ainda mais saudáveis!) e que me dá uns sorrisos eternecedores, que segue com o olhar como se não houvesse mais ninguém neste mundo e que me fez ver a vida doutro prisma, mas o mau feitio dele também me satura e desgasta.
Sei que tenho imensa sorte, por a minha mãe poder ficar com ele de vez em quando, muitas de vós não têm essa sorte, mas sei que até a ela às vezes lhe falta a paciência (imaginem se tivesse de o deixar já numa ama...) e também tenho sorte por o meu marido estar quase sempre presente, mas sou eu que passo o dia inteiro com o Gil e sinto muitas vezes falta do meu espaço e de estar sozinha.

Desde miúda que sempre fui muito independente, nem nunca gostei de ir para a cama dos meus pais quando era pequena ao contrário do meu irmão, que ia lá enfiar-se sempre que podia, eu sempre quis estar no meu espaço e de preferência sem qualquer intromissão. Nunca sonhei com o casamento, ao invés de quase todas as minhas amigas, porque achei que ia perder essa liberdade e essa individualidade que sempre me caracterizou. Morei sozinha 4 anos, a solidão às vezes é algo muito duro, mas eu gostava na maior parte do tempo.
Felizmente o meu casamento não invadiu esse meu espaço ou então fui eu que deixei de sentir tanto essa necessidade de estar sozinha, mas desde que o Gil nasceu que sinto mais essa necessidade, afinal já quase nunca estou sozinha... delicio-me quando tomo um duche, porque tenho a sensação que aí sim, estou só comigo própria, mas isto é quando o L. está em casa, porque senão, lá tenho de ir com o intercomunicador atrás e muitas vezes sair do banho à pressa...

Desculpem lá, isto foi só um desabafo de muitos que virão, da mãe de um rufiazinho!

Ah! E o Gil está mesmo a crescer! Já tivémos comprar uma banheira adaptável à nossa, porque a outra estava a ficar pequena e ele já me chafurdava o chão todo do quarto! Agora já toma banho na nossa casa de banho!

P.S. Desculpem faltar aos vossos cantinhos, mas o tempo não me tem premitido visitá-los com tanta frequência.

10 comentários:

pensamentos de cão disse...

Não sei qual é a sensação de ser mãe, a minha única experiência é como madrinha, o que significa cuidar na minha afilhada e na mana apenas umas horas uma vez por acaso. Percebo o teu desgaste a acredito que daqui a uns anos vais sentir falta deste tempo, por muito que agora te custe. Dias melhores virão, mas acho que fazes bem em deixar o Gil umas horinhas, nem que seja uma vez por semana, com a tua mãe. O acumlar de stress não é bom para ti nem para ele e tu precisas de um tempinho sozinha para as tuas coisas, qualquer mulher precisa.

viviana disse...

como eu te compreendo amiga....
chorei tanto por sentir que o meu espaço deixou de ser o MEU ESPAÇO!!
so o teras um dia que fores trabalhar e ele for para uma creche ou para uma ama e olha que falo por experiencia propria!!
custa muito deixa-los MESMO, mas depois....
jokas fofas e pacientes

May disse...

Lisa, apesar dp Tiago ainda não ter nascido e de não saber o que me espera, compreendo-te perfeitamente. Ninguém é de ferro e de facto as mães é que continuam a suportar a maior carga de criar uma criança. Tu própria só estarás disponível para ele se estiveres bem contigo. Não te sintas culpada porque o que sentes é perfeitamente natural e saudável. Mas talvez haja soluções. Será que ele se apercebe do teu cansaço e do stress? às vezes os bebés pressentem essas coisas e ficam ainda mais agitados. Pede ajuda sim, à tua mãe, ao teu marido, a uma amiga. Quando estiveres sozinha, vai dar uma volta ou simplesmente descansa em casa. Não te preocupes tanto com as limpezas e as arrumações, há coisas mais importantes. Não sei se já reparaste, mas a Gina Ford agora tem um site http://www.contentedbaby.com/
talvez te ajudasse nas rotinas para as sestas. Respira fundo e calma. Acho que todas as mães passam em algum momento por isso. Beijinhos

Cláudia disse...

Eu, por mais que goste da Daniela (e gosto de todo o meu coração), e apesar de ter um marido que me ajuda em tudo, sinto falta das coisas que fazia. De ter o meu espaço. De ter o meu tempo.

A vida de uma mulher muda muito quando se torna mãe. E por mais que o pai ajude e esteja presente, mãe é mãe.

E eu tenho sorte de ter uma bebé que praticamente não chora. Mas a verdade é que ela gosta de companhia. E não dispensa a presença da mãe ou do pai. E é complicado gerir o nosso tempo quando os nossos filhos dependem tanto de nós.

Desculpa o testamento.

um beijo muito grande para vocês e para o pequeno Gil.

PS: com o passar do tempo, o feitio do Gil vai melhorar.

mamã do bébinho disse...

É normal haver dias em q nos sentimos assim. Eu sei bem do q falas porque o Gonçalo também me dá muito pouco descanso durante o dia... A única diferença é que ele quando está acordado, regra geral, está bem disposto.
No entanto, é importante q não tranpareças esse stress para ele, porque eles têm tendência a absorver as nossas emoções e podem ficar nervosos também...
Já experimentaste pô-lo no marsupio em casa? Eu faço muita coisa assim... e ele fica super sossegado! E como já o posso virar para a frente, fica encantado a obsrvar tudo (adora ver a água qd lavo a loiça). Só não se pode engomar ou cozinhar (pelos riscos do calor/queimaduras) de resto pode-se fazer tudo e eles ficam felizes por estar ao nosso colinho!

bjs gds

teresa disse...

Entendo perfeitamente o que estás a passar. Há alturas em que penso que estava tão bem antes de ser mãe, mas logo passa e não trocava por nada estes momentos com a minha filha. Calma e paciência. Beijos com ternura.
Teresa e Matilde.

Moura ao Luar disse...

Oh querida eu acredito que andes estafada, quantas vezes as minhas colegas aqui no trabalho partilham essas preocupações. Não sou mãe, mas prezo mto o meu espaço... filhos 24 h por dia, há dias em que deve ser mais complicado gerir, e o teu com tanta energia... hehe tenta tirar um tempinho pa ti no fds, deixao-o com o papá e vai dar uma voltinha com uma amiga, vai à cabeleireira, fazer umas comprinhas para ti...

Carla disse...

Não me parece que seja por o Gil ser um bebé menos sossegado que te sintas assim. O Pedro é um sossego enorme e eu ando com ele atrás quando faço as coisas, e no entanto também sinto que perdi uma boa parte da minha autonomia. É tal como dizes, eu nem tomo banho se o pai dele não estiver aqui. É 24 sobre 24 horas a olhar por ele. E eu também morei 3 anos sózinha e era completamente autonóma e sentia-me muito bem assim. Também tenho momentos de desespero, mas depois lembro-me que ele está a crescer e um dia vai querer ser autónomo e aí vou ser eu a não achar piada nenhuma. Aproveita a tua mãe ficar com ele, sempre te dá uns momentinhos de liberdade.

Oh! Amiga, nós nunca estivemos no Egipto... A cara metade esteve na Tunísia. Eu nunca saí do continente europeu, com imensa pena minha. Também adorava conhecer o Egipto, mas acho que vai ficar para turismo sénior LOL.

Quanto a férias no Sul de Espanha, também pensei ir para lá, mas disseram-me que o calor é horrível e que só convem sair de casa depois da 18 horas e não sei se o Pedro se dará bem com tanto calor. Mas obrigada pela sugestão. Estavamos mesmo a pensar era ir para a Galiza, mas não conheço sítios onde ficar.

Beijos e anima-te, isto de ser mãe ainda é uma novidade e ainda nos estamos todas a habituar.

filipa disse...

Pois é, ser mãe é isso mesmo, tudo muda á nossa volta e a nossa vida passa a ser a deles.

Bjs e Bom Fim de Semana.

Gioconda disse...

Já sabes o que penso sobre isso.... nunca tive vontade de ser mãe e um dos motivos era exactamente esse.... eu sabia que ia precisar do meu espaço e que depois iria culpar "inconscientemente" o meu bebé disso.... dai que decidi ficar quietinha.... gosto muito mais de vir aqui ler os teus stresses e sorrir, eheheheeh