segunda-feira, março 23, 2009

Sem título definido...

Mais uma vez venho pedir desculpa pela ausência, mas ando mesmo sem vontade e sem paciência para o que qer que seja.
O meu contrato está quase no fim e quem me dera que já tivesse acabado, porque preciso de férias, preciso de uns dias para organizar algumas coisas em casa e sobretudo para organizar ideias e descansar. Não tenho ainda outro trabalho em vista e não me perguntem porquê, mas neste momento isso nem me preocupa muito.

No espaço de pouco mais de três meses, estou novamente naquela ansiedade, naquela espera... a situação da minha avó é aterradora, não encontro outra palavra para descreve-la... todos pedimos uma morte rápida e implacável e cada vez mais compreendo porquê. Cada vez mais concordo com a eutanásia.
Acho que já não consigo voltar a ir ve-la. Fui lá no sábado. Saí de lá num pranto. Não estive mais de 2 minutos lá dentro. Para irmos ve-la agora, necessitamos de vestir uma bata, colocar luvas e colocar uma máscara facial. Chega a ser desumano.
Nestes últimos momentos devia haver mais calor, mais humanidade, mas é de todo impossível. Socialmente estamos talhados para negar tudo o que tem a ver com este tema, não aprendemos a lidar com a morte e com tudo o que isso acarreta.
Não percebi se ela me reconheceu ou não, pois não entendi nada do que ela disse. Acaricie-lhe a mão, ela deu por mim, mas não sei se me reconheceu. Custou-me tanto ve-la naquele estado. E quando olhei para ela só me recordei da irmã dela, estava tal e qual...

A morte do meu avô foi dolorosa para todos nós, mas a minha avó como tem ainda alguma consciência está a ser ainda mais dificil. Está ser-me muito dificil digerir isto, porque apesar da minha avó ter um feitio complicado, de não ter instrução suficiente o que a levava a alguns excessos, de ser uma "chatinha", ela tinha um coração de ouro, do tamanho do mundo, e eu sentia-me mais próxima dela, do que me sentia do meu avô, talvez por ser mulher. Não compreendo porque é necessário sofrer tanto, para morrer.
Cada dia que passa e que sabemos que ela continua naquele sofrimento, mais angustiante se torna, vemos a morte como um alívio para esta dor, tal como foi com o meu avô, mas porque tem de ser novamente desta forma?
Já não consigo lá ir sozinha e sinceramente gostava que tudo terminasse o quanto antes, porque sabendo que ela ainda tem alguma consciência, também me custa não ir lá, porque sei que nos gosta de ter por perto, é um dilema que me corrói por dentro.

Mais uma vez peço desculpa por um post tão dread, mas é aqui que sinto que posso desabafar e um dia, aqui, o Gil poderá recordar mais vivamente os seus bisavós e a importância que eles tiveram na nossa vida. Na verdade os avós são primordiais no nosso crescimento. Para além dos pais, também os avós têm uma função essencial na nossa vivência e eu tive a sorte de conhecer 3 avós, lamentavelmente o meu avô materno morreu quando eu tinha 5 meses, mas cheguei aos 34 anos com 3 avós vivos. Ainda conheci dois bisavós, mal me lembro de ambos, pois tinha 2 anos e pouco quando um deles morreu e tinha 8 anos quando morreu o outro. Do meu bisavô A. apenas me lembro quando ele já estava doente e de cama, do meu bisavô J. tenho algumas recordações soltas, afinal já tinha 8 anos quando ele faleceu e ainda me lembro de ter ido ao funeral.

Concluindo, estes dias têm sido sombrios e emoldurados por um nevoeiro que teima em não sair daqui...

12 comentários:

Ana Santos disse...

Nem sei o que te dizer para te confortar.
Deve custar muito ver os nossos familiares a sofrerem.
O template do teu blog está muito bonito e o Gil está lindo!
Beijinhos,
Ana e seus tesourinhos

BabyJust disse...

Minha querida, sinto tanto tanto, percebo tao bem as tuas palavras, percebo-as e sei o quanto doi!!!! Porque é que tem de ser assim, porque é a palavra sempre na nossa cabeca!!! Espero o melhor para a tua avó, e para voces!
Um beijinho muito grande cheio de carinho
Patrícia

Sandra e Afonso disse...

Custa tanto Lisa vermos alguém de quem gostamos assim...
Vou deixar beijinhos para voces todos!
Beijo, beijo, beijo

Sandra e Afonso
www.bebeafonsinho.blogspot.com

P.S. O Blog está lindo!

Mamã da Rafa disse...

Custa muito, lamento:(((


Beijinhos carinhosos com o desejo de uma óptima semana:)

Ps. o template está gírissimo:)))

Angel disse...

Olá linda, nestas alturas nunca sabemos o que dizer. Mas deixo-te um beijinho grande de conforto.
É muito dificil vermos pessoas que nos são queridas a sofrer.

Beijocas.

Maria Pereira disse...

A situação pela qual tu estás a passar é bem dificil. Ver alguém que se ama a morrer aos poucos dá cabo de qualquer pessoa. E custa muito estar junto deles e não poder fazer nada para os ajudar. Só desejo que o seu sofrimento acabe depressa já que não há nada a fazer

Um beijinho muito especial

Sandra e Dinis disse...

Olá Lisa!

Sei do que falas, eu perdi os meus avós mais chegados, em menos de 1 ano! O meu avô foi 1º com um avc e depois a minha avó, com um cancro nos intestinos!

Fui só visitar a minha avó, uma vez ao hospital e chorei tanto que não consegui ir lá outra vez!
Tinha eu uns 13 anos e a dor continua!

Força e passa um dia de cada vez!

Bjs

Pietra disse...

Não é nada fácil vermos as pessoas que amamos sofrerem...
Muita força!
Bjs

Ana e Vasquinho disse...

:(

Nem tenho palavras.
Apenas que compreendo que não seja nada fácil vermos as pessoas de quem tanto gostamos a sofrer tanto.

Um beijinho e um abraço apertadinho.

Dinastia FilipiNHa disse...

Minha querida,

Nem sei o que te dizer... Não tenho palavras para tentar minimizar o teu sofrimento...

Um grande beijinho...

yolanda disse...

Ohhh minha querida, ate me vieram as lagrimas aos olhos a ler o teu post....imagino o teu sofrimento....não se devia sofrer assim....muitos beijinhossssss

Mamã da Rafa disse...

Pssst vai espreitar lá, novidade maravilhosa:)))))

Beijinhos carinhosos